Chatbots: Atendimento inteligente aos clientes

Chatbots: Atendimento inteligente aos clientes

A realidade do nosso presente com os chatbots

Aos que acompanham as novidades da internet já deve ter ouvido falar de inteligência artificial e sua relação com os chatbots. Se falássemos disso há alguns anos atrás ninguém acreditaria. Eles representam uma grande evolução na relação entre pessoas, marcas e tecnologia.

No entanto, com o passar do tempo está se tornando cada vez mais real e presente na vida do chamado consumidor 3.0.

Com os clientes cada vez mais exigentes, a utilização da tecnologia tem sido a salvação para aqueles que desejam potencializar seus resultados e oferecer uma experiência diferenciada aos seus consumidores. Mas vamos entender um pouco mais sobre esse assunto.

O que são os chatbots?

Os chatbots são programas de computador que respondem mensagens de usuários baseados em regras ou Inteligência Artificial. Por oferecer uma assistência diferenciada — com interatividade e uma linguagem bastante natural —, os chatbots podem surpreender pela qualidade na prestação dos serviços e também pelo atendimento personalizado.

Tem por objetivo responder as perguntas das pessoas tenham a impressão de estar conversando com outra pessoa e não com um programa de computador.

No Brasil, podemos citar o uso de chatbot, conhecido como o “Poupinha”, responsável pelo agendamento de serviços pelo site do Poupa Tempo.

Após o envio de perguntas em linguagem natural, o programa consulta uma base de conhecimento e em seguida fornece uma resposta que tenta imitar o comportamento humano. Caso o usuário escreva algo que não foi previsto, o chatbot pede desculpas e diz que não entende aquele comando.

Como eles funcionam

Os chatbots são Baseados em regras ou em inteligência artificial. No modelo de regras, eles funcionam através de comandos específicos (ou palavras-chave). Geralmente eles obedecem fluxos de navegação bem definidos. Para que funcionem bem, precisam deixar isso claro para o interlocutor e direcionar a conversa.

Já pela inteligência artificial (IA) os chatbots podem utilizar diversos métodos, algoritmos, técnicas e integrações que tornam o software “inteligente”.

Desta forma, os chatbots permitem que o consumidor tenha acesso a um atendimento personalizado e eficiente. Isso mostra a grande realidade e do crescimento desta ferramenta no mundo digital.

Realidade do mundo digital

No mundo de hoje, milhões de pessoas usam o Facebook, WhastApp e o Messenger. Desta forma mostra que o uso de chatbot é a realidade do mundo digital.

Isso prova de forma clara que as pessoas preferem digitar a falar. O que torna o atendimento cada vez mais facilitado.

Mas, lembre-se:  a tecnologia evolui cada vez mais, no entanto, do outro lado do chat/ligação está um humano.

Entregar a ele um atendimento mais humanizado fará toda a diferença e nisso os chatbots podem ser os parceiros ideais. Enquanto eles realizam as tarefas operacionais, a equipe tem tempo para entregar ao cliente o que ele realmente quer. E você já teve alguma experiência com os chatbots?

 

características do consumidor 3.0

Vender hoje em dia para o consumidor 3.0

Com os avanços e inovações tecnológicas surgiu o consumidor 3.0

O consumidor 3.0 realiza, antes de efetuar suas compras, pesquisas de produtos ou serviços através da internet por meio das redes sociais, blogs e sites.

Diferentes daqueles espectadores que não tinham outra opção a não ser ouvir passivamente ao que o rádio, a televisão e os vendedores das lojas lhes diziam, os consumidores 3.0 não saem de casa sem saber todos os detalhes sobre o produto que deseja comprar.

Assim o consumidor é mais comunicativo, reivindicativo, interativo e opinativo, buscando maior comunicação com a empresa.

Uma grande oportunidade aos empresários que estão atentos para interagir com o consumidor 3.0 por meio de canais eletrônicos.

Use as redes sociais

Para atrair cada vez mais o consumidor 3.0 e assim vender mais, temos que destacar a importância de se usar as redes sociais. Seja por smartphone, tablete ou computador, todos estão conectados de alguma forma por meio da internet.

As redes sociais estão entre os recursos para vender mais e que merecem um destaque especial. Estar nesses canais é o mesmo que ficar mais perto dos clientes.

A partir da criação de uma estratégia de engajamento e participação, é possível tanto fazer ofertas quanto fortalecer o relacionamento.

Crie um relacionamento com o cliente

A empresa deve pensar em criar um relacionamento com quem compra. Com a internet e graças ao marketing digital, isso se torna mais simples. O consumidor 3.0 já não se satisfaz com pesquisas de preços ou informações.

Ele exige um relacionamento com a marca, de modo a ter confiança e, a partir disso, realizar a compra em questão.

É possível criar conteúdo para se estabelecer como uma autoridade, assim como utilizar diversos recursos. Tudo isso mantém o consumidor 3.0 por perto e garante uma atuação mais assertiva.

Saia do básico

Nos dias atuais, os vendedores não podem ter informações básicas sobre o produto. O vendedor precisa conhecer de forma mais detalhada os diferencias e características de um produto para conseguir convencer seu cliente 3.0 a finalizar sua compra.

Nesse conjunto, ter agilidade, paciência, simpatia, disponibilidade para ouvir também são fundamentais.

Outro aspecto é se sentir bem dentro da loja, debater os aspectos técnicos do produto comprado e, finalmente, sair da loja com a certeza de ter feito um bom negócio.

Uma maneira de encantar o consumidor final é surpreendê-lo com informações melhores e mais completas do que aquelas que ele já traz de casa.

Para vender para as novas gerações, os profissionais precisam se colocar na posição do comprador e entender sua realidade. Eles têm várias opções disponíveis e informações na palma da mão. Leve isso em conta e crie uma estratégia capaz de concretizar a experiência de vendas perfeita.

 

Consumidores 3.0: Conheça suas características

Consumidores 3.0: Conheça suas principais características

Consumidores 3.0 – chamados assim pelos especialistas por terem um perfil diferenciado dos anteriores. São conectados, bem-informados e prezam pelo conforto em suas experiências de compra.

Diferentes daqueles espectadores que não tinham outra opção a não ser ouvir passivamente ao que o rádio, a televisão e os vendedores das lojas lhes diziam, os consumidores 3.0 não saem de casa sem saber todos os detalhes sobre o produto que deseja comprar.

Pesquisam na internet para comparar preços e consultar outras pessoas por meio das redes sociais.

Com isso, o cliente é conduzido para um estágio avançado na sua jornada de compra e quando chega a uma loja, já sabe a marca, o modelo do produto que deseja, suas principais características e com uma boa noção de preço.

Os consumidores 3.0 também são mais interativos, comunicativos, reivindicativos e opinativos, buscando maior comunicação com a empresa.

Atualmente, os consumidores 3.0 exigem que sejam bem atendidos, com eficiência e agilidade. Aliás, esse cliente até está disposto a pagar mais por serviços que contemplem essas características.

O novo marketing para os consumidores 3.0

No marketing 3.0, os consumidores são vistos mais do que como pessoas que compram, mas, sim, como seres humanos plenos. Por isso, as marcas precisam alcançar o espírito de seus clientes.

Eles querem saber de que maneira sua empresa pode ajudá-los a fazer do mundo um lugar mais justo e mais limpo.

Os consumidores 3.0 buscam uma relação de compartilhamento de valores e anseiam por uma sociedade melhor. Buscam empresas que tenham em seus valores e em sua missão, as necessidades de justiça social, econômica e ambiental.

Pesquisas revelam o perfil dos consumidores 3.0

Uma pesquisa divulgada pela HsM Management  mostra qual o perfil do consumidor 3.0 brasileiro:

  • 73% utilizam sites que comparam os preços dos produtos antes de irem às lojas,
  • 55% dos usuários ainda tem insegurança em realizar transações bancárias na internet,
  • os produtos mais adquiridos são livros, eletroeletrônicos, cds/dvds, produtos de informática e downloads de músicas.

Segundo estudo realizado pela Gartner, em apenas alguns anos, 89% das empresas irão competir principalmente no âmbito da experiência do consumidor.

Dispositivos IoT (Internet das Coisas)permitem o mapeamento do consumidor

As tecnologias voltadas para o setor já permitem que comerciantes disponham da prática de web-analytics em estabelecimentos físicos.

Os milhões de dispositivos IoT em posse dos consumidores permitem ao varejo físico um mapeamento de perfil mais preciso.

Por meio de uma rede WiFi ativa, é possível ler o número de identificação (MAC Address) dos smartphones de cada pessoa que entra na loja, que passa a ser vista como um único visitante, independentemente de quantas vezes retornar ao local.

Com isso, é realizado um filtro de quem deve ser contabilizado ou não, descontando funcionários e entradas duplicadas.

Além disso, esse tipo de identificação permite que o lojista aprimore seu relacionamento com o cliente, uma vez que ele terá acesso a indicadores como a taxa de permanência, frequência, que o permitem aperfeiçoar o atendimento.

Para o varejista, essas informações são vitais. Para conseguir atender a essa nova geração de consumidores 3.0, os lojistas precisam se colocar na posição de comprador e entender sua realidade, pois eles dispõem de várias opções e uma infinidade de informações na palma da mão.

Uma vez que o comerciante tem esses dados, ele pode personalizar o atendimento ao cliente com interações por meio de um smartphone, ou outro dispositivo móvel e posicionar-se como um expert no produto ou serviço oferecido.

As pessoas sentem-se mais confortáveis ao comprar de um especialista, que entenda não apenas da marca vendida, mas de todo o funcionamento daquele tipo de produto.

Leve isso em conta e crie uma estratégia capaz de concretizar uma experiência de compra agradável e satisfatória.

BACK TO TOP